Conheça o Brasil - População

Trabalho e rendimento

Em 2017, entre os 207,1 milhões de pessoas residentes no Brasil, 124,6 milhões (60,2%) possuíam algum tipo de rendimento, seja proveniente de trabalho (41,9% das pessoas) ou de outras fontes (24,1% das pessoas), como aposentadoria, aluguel e programas de transferência de renda.

Os brasileiros que declararam possuir algum rendimento recebiam, em média, R$ 2.112 por mês, ou seja, este seria o valor recebido por todas as pessoas que têm algum tipo de rendimento no Brasil, se recebessem o mesmo valor mensal.

Mas não é isso que acontece. Os 50% da população com os menores rendimentos recebem, em média, R$ 754, enquanto 1% com os maiores rendimentos ganha, em média, R$ 27.213, ou seja, 36,1 vezes mais. Confira no gráfico, a seguir, a distribuição por classes de percentual das pessoas em ordem crescente de rendimento.

 Rendimento médio mensal*, por classes simples de percentual das pessoas em ordem crescente de rendimento (Brasil - 2017): até 10% R$ 152; mais de 10% até 20% R$ 555; mais de 20% até 30% R$ 908; mais de 30% até 40% R$ 982; mais de 40% até 50% R$ 1.171; mais de 50% até 60% R$ 1.434; mais de 60% até 70% R$ 1.779; mais de 70% até 80% R$ 2.246; mais de 80% até 90% R$ 3.314; mais de 90% até 100% R$ 9.242; * Rendimento médio mensal real das pessoas de 14 anos ou mais de idade, efetivamente recebido no mês de referência, de todos os trabalhos, a preços médios do ano

 

Quanto às diferenças regionais, o Centro-Oeste registrou o maior valor de rendimento médio mensal (R$ 2.479) e o Nordeste (R$ 1.429), o menor. 

Rendimento médio mensal*, por região (2017): Brasil R$ 2.112; Nordeste R$ 1.429; Norte R$ 1.541; Sul R$ 2.373; SudesteR$ 2.459; Centro-Oeste R$ 2.479; *Rendimento médio mensal real da população residente, com rendimento, efetivamente recebido no mês de referência, a preços médios do ano

Em 2017, havia no mercado de trabalho brasileiro 89,1 milhões de pessoas ocupadas com 14 anos ou mais de idade. Entre esta população, o rendimento médio mensal de todos os trabalhos foi de R$ 2.178.

Apesar de as mulheres representarem mais da metade da população em idade de trabalhar, os homens preencheram 57,2% dos postos de trabalho em 2017. Elas receberam, em média, R$ 1.868, o que representava 77,5% do rendimento masculino (R$ 2.410).

Entre a população ocupada, os brancos representavam 45,9%, enquanto os pardos, 43,7%, e os pretos, 9,4%. O rendimento médio de todos os trabalhos das pessoas brancas (R$ 2.814) era maior que os rendimentos observados para as pessoas pardas (R$ 1.606) e pretas (R$ 1.570).

Quanto ao nível de ensino, as pessoas que não possuíam instrução apresentaram o menor rendimento médio (R$ 842). Já o rendimento das pessoas com ensino fundamental completo foi 67,3% maior, chegando a (R$ 1.409). Por outro lado, entre os que tinham ensino superior completo, o rendimento médio foi de R$ 5.110.

Rendimento médio mensal*, por nível de instrução (Brasil - 2017): Sem instrução R$ 842; Ensino Fundamental incompleto R$ 1.192; Ensino Fundamental completo R$ 1.409; Ensino Médio incompleto R$ 1.300; Ensino Médio completo R$ 1.727; Ensino Superior incompleto R$ 2.186; Ensino Superior completo R$ 5.110; *Rendimento médio mensal real das pessoas de 14 anos ou mais de idade, efetivamente recebido no mês de referência, de todos os trabalhos, a preços médios do ano

 

 

Quer saber mais?

Canal do IBGE no YouTube IBGE Explica • INPC e IPCA

Canal do IBGE no YouTube IBGE Explica • POF

Canal do IBGE no YouTube IBGE Explica • ODS 1

Agência IBGE de Notícias Voluntariado aumentou em 840 mil pessoas em 2017

Agência IBGE de Notícias PNAD Contínua 2016: 10% da população com maiores rendimentos concentra quase metade da renda

Agência IBGE de Notícias Entre 2014 e 2017, desemprego cresceu mais em Santa Catarina e no Rio

Agência IBGE de Notícias Desemprego recua em dezembro, mas taxa média do ano é a maior desde 2012

Portal do IBGE [PDF] PNAD Contínua 2016: Rendimentos de todas as fontes

Portal do IBGE [PDF] PNAD Contínua 2016: Trabalho infantil

Portal do IBGE [PDF] PNAD Contínua 2016: Outras formas de trabalho